terça-feira, 17 de julho de 2012

PSCICODELIZANDO A MENTE


Crônica

Andando pela rua com uma amiga, paramos em uma livraria. Caminho a uma estante com autores diversos. Um garoto para ao meu lado. Ele pega um livro de capa de couro vermelho. Não consigo ler o titulo.
-Julio Verne - Ele diz de forma quase inaudível.
"Júlio Verne" pensei, "autor de ficção científica. Gosto muito dos livros dele."
-É um excelente autor. - Eu disse olhando para ele. Ele tinha uma aparência interessante. Usava cabelo comprido, muitas pulseiras, a barba mal feita lhe dava um visual exótico, o que me fez pensar que a maioria das pessoas diria que alguém como ele não leria esse tipo de livro. 
Minha amiga me da uma cotovelada discreta, certamente para me alertar contra aquele garoto de aparência diferente, que aos olhos dela não parecia tão intrigante quando o pareceu para mim. 
-Eu gosto muito dele - ele disse sorrindo e fez um gesto com a mão indicando sua aparência - Não parece não é?! 
-Depende - eu disse sorrindo - Para mim você expressa a sagacidade dos dos personagens de Verne. Fíleas Fogg que deu a volta ao mundo, o professor Lindenbrock que fez uma viagem ao centro da terra.
Ele me olhou, provavelmente me analisando - Você é a primeira pessoa que me diz isso. - ele sorri - Mas devo confessar que, assim com esses personagens, quando sou tomado por uma ideia, dedico-me a ela ao máximo. 
-Uma pessoa culta e educada como você não deveria se vestir assim - Minha amiga disse pronunciando-se pela primeira vez na conversa. Ele a olhou com um ar de desinteresse mas sem perder o sorriso disse - Como uma pessoa culta e educada deve se vestir? Acredito que uma pessoa não precise usar terno e gravata ou uma roupa da moda para ser educada. Educação e ética assim como respeito para com o próximo são valores que, ao meu ver, devem ser intrínsecos ao ser humano.
Ela olhou para o chão envergonhada. 
-Como se chama? - eu perguntei.
-Danilo, meus amigos me chamam de Dan. - Ele respondeu com seu sorriso simpático e estendeu a mão. Eu aperto a mão dele - Ana, prazer. 
-O prazer  é meu.
-Perdoe minha amiga.
-Tudo bem. Eu compreendo. Não se da para confiar em todo mundo hoje em dia. Porem você não teve medo de falar comigo. Acredito que pessoas como nos se reconheçam. - ele disse.
-Certamente - respondo. 
-Bom, foi um prazer conhece-las. Espero que nossos caminhos se cruzem novamente. 
-Igualmente.
Olho ele saindo em direção ao caixa e me viro para minha amiga em seguida. 
-Não fique assim. Foi lhe dada a oportunidade de aprender uma valiosa lição. 
-Que lição? - ela disse- como levar uma cortada? 
-A maioria das pessoas tem apenas uma visão externa de tudo. O que elas vem é o que elas sabem. E isso ao ver delas é suficiente para se viver no mundo. Julgar as pessoas erroneamente pela forma de se vestir, de falar dentre outros critérios superficiais é apenas um meio de ressaltar a ignorância do ser humano. Fomos dotados pelo criador da capacidade de aprender para que assim possamos encontrar a nos mesmos. Viver bem, fazer do nosso mundo interior um lugar melhor para que depois possamos melhorar o mundo que nos rodeia. Hoje você aprendeu a olhar para dentro das pessoas. Espero que não esqueça essa lição.
-Você é louca. - ela diz e cai na gargalhada. Eu sorrio 
-Obrigada.

Por Brenda S. Sousa





sábado, 30 de junho de 2012

CINE PAPAI APRESENTA



Olá pessoas. Como estão? Espero que todos estejam em caminhos emocionantes. Hoje estreia um novo quadro aqui no Pscicodelia. O Cine Papai Apresenta é um quadro onde vou mostrar filmes de todos os tipos, tanto antigos como lançamentos.
A ideia para esse quadro me veio depois de um fim de semana comum. Quase todo fim de semana meu pai e eu assistimos filmes na parede da cozinha com um projetor. Meu pai tem um excelente gosto para filmes. Todos os filmes que vou postar aqui me foram indicados por ele.
Quero dedicar esse quadro a meu pai! 

Bom, vou começar com um dos meus filmes preferidos dentre os que vi com meu pai.
Talvez a maioria de vocês nunca tenham ouvido falar sobre Trinity. Pois bem, Trinity é um personagem de um filme de faroeste Italiano. Nunca tinha assistido filmes de faroeste. Mas depois de Trinity, virou vício.

Trinity (como é conhecido no Brasil) ou Trinitá (como é conhecido em Portugal) é um personagem do Velho Oeste que apareceu em filmes italianos (chamados de western spaghetti).
Ele surgiu em 1970, no filme They Call Me Trinity (original em italiano, Lo chiamavano Trinità). É também conhecido como My Name is Trinity (de onde veio seu nome mais conhecido no Brasil, Meu nome é Trinity). O ator que o interpreta é Terence Hill, um italiano loiro que possui imensos olhos azuis.
No filme de 1970 fica se sabendo o apelido de Trinity ("A mão direita do Diabo"), devido a sua fama de um dos pistoleiros mais rápidos do Oeste. Seu irmão é o corpulento Bambino (interpretado por Bud Spencer), conhecido como "a mão esquerda do Diabo", pelo mesmo motivo. Apesar de bons do gatilho, eles não dispensam uma boa luta de socos, no qual Bambino se mostra invencível.
Os irmãos vivem à margem da lei, mas (principalmente Trinity) possuem um código de honra que os leva a sempre ajudarem os indefesos e a salvarem as belas donzelas que encontram pelo caminho. Surgido em pleno auge da contra-cultura, Trinity se apresenta como um típico hippie vagabundo, vestindo roupas rasgadas e coberto de poeira do deserto dos pé à cabeça. Para as longas travessias pelo Oeste, ele usa uma "cama índia" (espécie de padiola), puxada pelo seu obediente cavalo.
Devido ao sucesso do filme de 1970, foi feita uma sequência, Trinity ainda é meu nome de 1971. No Brasil o personagem virou mania, sendo que quase todos os filmes da dupla Bud Spencer & Terence Hill foram lançados nos cinemas do país com Trinity incluído no título em português. E mesmo muitos dos western spaghetti de baixa qualidade do início dos anos 70, também foram objeto dessa fraude, mesmo que a dupla de atores original não aparecesse no filme.

Trinity tem uma pegada meio comédia. Uma das minhas cenas preferidas é uma em que Trinity e Bambino então em um bar e eles arrumam confusão com o pistoleiro mais temido da cidade onde se encontram por causa de um jogo de cartas. 





Uma curiosidade sobre esse filme é que, em uma cena onde Trinity e Banbino estão comendo em um restaurante chique mas eles são muito sem modos. A curiosidade é que essa cena não foi escrito, Terence Hill e Bud Spencer criaram-na no set. 



Pois bem pessoas, espero que tenham gostado e que continuem visitando o Pscicodelia. Abraço e que o caminho de vocês seja percorrido com coragem e bondade. 


sexta-feira, 29 de junho de 2012

PSCICODELIZANDO A MENTE





O que é uma lagrima?
Alguns dirão que é uma resposta do corpo quando nos rendemos a fraqueza da alma.
Outros dirão que são palavras que encontraram uma maneira mais segura de sair para que não magoassem?


O que é ser fraco?
É entregar-se ao sentimento ou enclausura-lo dentro de si mesmo?


O que é errar?
É pegar um caminho no qual você sentirá a dor porem as pessoas a sua volta estarão felizes ou ignorar o sentimento do outro e pensar apenas em você? Isso seria egoismo ou piedade de si mesmo?


O que é ser forte?
É enfrentar seu medo ou ignora-lo? É enfrentar o caminho tortuoso ou traçar uma linha reta?


Mário Quintana disse uma vez em um de seus poemas que a função de um poeta é dar perguntas a seus leitores para que eles possam pensar, e não pensar por eles.
Não sou poeta.
Sou uma mera caminhante que apesar de chorar, de errar, de ter fraquezas procura ser forte, erra até acertar e chora para ver se isso leva a algum lugar.
Assim como Quintana, passo a vocês essas perguntas e lhes digo que não tenham medo de errar, chorar ou ser fraco, pois só caindo conseguimos levantar. 



Brenda S.




quinta-feira, 31 de maio de 2012

Reencontro


Eu estou aqui de novo, sei que você pode não vir, mas não me importo. Sinto o vento bater de leve em meu rosto, escuto as folhas dançando ao ritmo dele, olho o sol que já se põe, está na hora exata, fecho os olhos e vivo tudo outra vez. Os nossos sorrisos bobos, os olhares cumplices, as risadas, as horas bem gastas, as conversas sem razão nenhuma a não ser falar, conhecer um pouco mais um do outro. Sei que isso não volta nada jamais será como um dia, mas por que não tentar?
Lembra-se das nossas fotos? Você ainda tem aquela que eu tirei? Eu amo aquela foto em particular, completávamos um mês juntos, você estava com o sorriso que eu mais amo. Nunca me senti tão feliz como quando nos momentos em que estávamos juntos. Só nunca entendi como ou porque acabou. Você não me procurou por um tempo e eu deixei assim. Será que ainda escuta a nossa musica? Eu deixei de escuta-la por um tempo, sabe? Mas um dia eu liguei o radio e estava tocando justamente ela, coincidência não? Sei que desde então a escuto sempre.
Sinto que talvez você venha, consigo sentir você me olhando, e me lembro das tantas vezes em que ficamos abraçados, apenas sentindo que estar nos braços um do outro poderia ser tudo. Lembro-me de como era toda vez que te beijava, sempre era como o primeiro beijo, sempre a mesma sensação de arrepio, será que você esqueceu todos os nossos momentos juntos? Será que para você foi tão pouco assim? Consigo rir, não é a primeira vez que me pergunto essas coisas, sempre as mesmas coisas. Abro os olhos lentamente, não querendo esquecer, não querendo pensar em ter que deixar tudo para trás, deixar você em meu passado, quando já tinha planejado todo um futuro para nós. Solto um leve grito ao ver você parado ao meu lado, você sorri. “Há quanto tempo está aí?” Você sorri mais abertamente.
“Tempo suficiente para entender que senti sua falta.” Fico em duvida se devo te abraçar. “Não achei que fosse vir.” Você se aproxima e me empurra de leve com o ombro, e ri, eu conheço esse seu gesto, quer dizer para eu deixar para lá. “Quase não vim.” Isso me magoou, mas mantive um sorriso para me convencer que estava bem. Você continua me olhando. “Eu tive medo de você não estar aqui.” Seus olhos agora podiam refletir a luz do sol poente, era a minha cor preferida. “Não queria vir e encontrar esse lugar vazio. Essa paisagem não é nada sem você.”
Continuo sem me mover, só sei te olhar, você sorri de lado e passa sua mão por meu rosto, eu deixo que minha cabeça acompanhe o gesto, seu calor era tudo o que ainda me aquecia, e a forma como o tirou de mim, não foi justa, mas mesmo assim eu já esquecia os motivos de nossa separação, motivo que nunca existiu. Sinto meu estomago revirar quando você se aproxima de mim. Você me olha com seus olhos de sol e continua sorrindo, como se eu fosse o motivo, na verdade eu sei que sou, mas não gosto de ficar lembrando, gosto quando você me diz. “Senti muito a sua falta, meu sorriso. Não fui justo em me afastar por tento tempo, mas foi preciso.”
“Deixa para lá. Já passou, você está aqui agora.” Quando digo isso sei que é verdade, e quando você me beija é como se nunca tivesse existido um tempo sem você. O sol continua seu caminho, e eu sei que nossas vidas vão seguir em frente, Lado a lado.  A cada novo dia, um recomeço, uma nova forma de te ver, te amar, cuidar de você, dessa vez por toda nossa vida, por que não vou deixar você ir agora.


Amanda Fonseca


quarta-feira, 23 de maio de 2012

XICRINHA DE CHÁ





Olá pessoas, viram passarinhos verdes hoje?
No XICRINHA DE CHÁ de hoje trago a vocês um tema que não deve ser avaliado, apenas digerido lentamente para que assim ele possa encontrar, nos recantos de sua mente, a nossa qualidade de simples seres humanos.



Da Vince, Newton, Galileu todos esses nomes são muito conhecidos por todos nós. Esses homens foram revolucionários na história da humanidade,  nos dando a base de tudo que conhecemos sobre o mundo no qual vivemos.

Pensemos nisso.

Esses homens tinham algo diferente. Eles sonhavam e lutavam pelo que acreditavam. Mas, quanto mais eles estudavam e descobriam teorias científicas, matemáticas, filosóficas... mais eles acreditavam que existia um ser superior que havia criado tudo o que existe.

Esses sonhadores foram taxados de loucos, criticados. Mas hoje, são os homens mais importantes que já pisaram na terra. HOMENS. É a consciência desse complicada e ,ao mesmo tempo, simples papel que exercemos no universo, que diferencia esses revolucionários dos limitados. 

Essas pessoas aceitavam sua qualidade de seres humanos e não tentavam ser mais do que isso. Apenas lutavam.

Hoje, vivemos em um mundo de semi-deuses onde alguém que sonha e luta pelo que acredita, existem apenas nos cantos mais reclusos e remotos da sociedade.

Espero que tenham gostado. Abraços e que todos tenham coragem de lutar por seus sonhos.

terça-feira, 22 de maio de 2012

PSCICODELICOS CONVIDADOS


Olá pessoas, espero que o carma de vocês não esteja nublado. Venho anunciar um novo mundo a vocês. Hoje, dia 22/05/2012, um novo coração cheio de sentimentos esperando para serem expressados. Apresento a vocês Amanda Fonseca, nossa nova colunista semanal.  

O quadro explora a essência e as dimensões dos sentimentos humanos que, só o coração de quem sente, consegue compreender.

Fiz uma pequena entrevista com a Amanda para que possamos conhece-lá mais a fundo e saber o que ela guarda no bau de seus pensamentos. Então, vamos lá.

Pscicodelia: Quando você começou a escrever? 
Amanda F.: Não tem uma data ou ano certo que defina quando exatamente comecei a escrever meus textos. Muitas vezes as minhas palavras se perderam em minha mente mesmo, e levei um tempo para escreve-las e guarda-las. 


Pscicodelia: Quando você descobriu seu talento para escrever?

Amanda F.: Na verdade, eu não era ciente desse talento, as pessoas começaram a elogiar meus textos da escola mesmo, e comecei a escrever sobre o que sentia aos onze anos mais ou menos. Então foi ainda no inicio de minha pré adolescência. 

Pscicodelia: Qual o lugar onde você mais gosta de escrever?

Amanda F.: Gosto de escrever em lugares calmos, na maior parte do tempo, gosto de ter uma paisagem para onde olhar. E não pode faltar uma musica que me acompenhe.

Pscicodelia: Cite três princípios que você carrega na sua vida.

Amanda F.: Primeiramente sem Deus eu nada seria. 
Lutar sempre, desistir nunca.
E que na vida a humildade,a bondade e o respeito são coisas valiosas em um ser humano.

Pscicodelia: Qual o seu maior sonho?

Amanda F.: Conseguir aproveitar todas as oportunidades que me forem dadas. Como que o Pscicodelia esta me dando. E dar o máximo de mim. Afinal, todas as portas que se abrem são novos caminhos com ensinamentos, que eu quero levar comigo e passar a diante.

Pscicodelia: Agora, sobre seu quadro no blog. O que você pretende passar para nossos leitors?

Amanda F.: Pretendo mostrar um pouco de mim, um pouco do que sinto por experiencias minhas, ou por coisas que capto de historias de outras pessoas. Quero que eles possam se identificar com meus textos, que encontrem algo que lhes toquem a alma.

Pscicodelia: Amanda, você pode nos mostrar uma palhinha do que vem por ai no quadro Devaneios? 

Amanda F.: Claro.

Amanda Fonseca
"Você nem se quer lembrou que toda vez que olhava para mim, parecia me dizer adeus. Você nunca reconheceu o quanto me fez sofrer todas as vezes que me fez esperar, sem a certeza de que você ficaria. E quando abriu a porta sem olhar para trás, você riu quando eu implorei que ficasse e não considerou que eu poderia estar falando a verdade."





:


Querem mais? então não deixem de acompanhar o quadro Devaneios no aqui no Pscicodelia. Abraços e que a vida lhes de muita limonada. 






segunda-feira, 21 de maio de 2012

PSCICODELIZANDO


Olá pessoas. Espero que estejam com uma áurea positiva. Hoje estou trazendo para vocês um novo quadro para o blog chamado Pscicodelizando. Esse quadro almeja mostrar o trabalho que faço com as minhas roupas. 


Bom, hoje vou mostrar uma blusa que fiz a partir de uma farda antiga de curso. Eu recortei a gola e as mangas para deixa-lá mais feminina. E ficou assim: 



Depois fiz um entrançado nas costas e nas laterais. Para dar um tom diferente a blusa, recortei um retalho de pano pink com detalhes pretos e amarrei no entrançado das letreais. E ficou assim: 


Na frente da camisa tinha uma estampa e para cobri-la eu peguei um pedaço perna de calça jeans e costurei na frente. Achei muito sem graça, então, peguei algumas coisas para customizar. Costurei um zíper aberto e dois pedaços de calças jeans que encontrei nas costuras da minha mãe. E ficou assim:





Espero que tenham gostado. Beijos a todos até a próxima. E que o universo trabalhe a seu favor.




FILMES E LIVROS


O LIVRO

Olá pessoas. tudo azul com bolinhas brancas? No Filmes e Livros dessa semana trago um livro da Suzanne Collins que tem ganhado muita fama aqui no Brasil nos últimos tempos. Sim meus caros camaradas, estou falando do Jogos Vorazes. 
O primeiro de uma trilogia, Jogos vorazes foi publicado  nos Estados Unidos em 14 de setembro de 2008 pela editora Scholastic, e lançado em Portugal e no Brasil, respectivamente, em 20 de outubro de 2009 pela Editorial Presença e 29 de maio de 2010 pela Rocco. 
O livro foi lançado também como audiolivro e livro digital. Teve uma primeira edição de 50 mil exemplares nos Estados Unidos, mais tarde aumentada para 200 mil. Desde o seu lançamento, foi traduzido para 26 idiomas diferentes e teve os seus direitos vendidos para 38 países. Foi recebido de forma geralmente positiva pelos críticos especializados.O livro é narrado em primeira pessoa, pela protagonista Katniss Everdeen, uma garota de dezesseis anos com um espirito guerreiro.
Segundo Suzanne Collins, a ideia para Jogos Vorazes surgiu enquanto ela mudava canais na televisão. Em um canal, a autora observou pessoas competindo em um reality show e em outro viu cenas da Guerra no Iraque. As duas coisas "começaram a se confundir de um modo muito inquietante" e a ideia para o livro foi formada. O mito grego de Teseu serviu de base para a história - a personagem principal Katniss seria como um Teseu futurista - e os gladiadores romanos completaram o quadro. A sensação de perda que Suzanne teve quando o pai prestou serviço militar na Guerra do Vietnã também contribuiu para o desenvolvimento do livro, no qual a protagonista perdeu o pai aos onze anos de idade - cinco anos antes do início da história.  E assim o mundo dos Jogos Vorazes foi se criando na brilhante mente da Suzanne. 


RESENHA 


Em um futuro inquietante, a America do Norte é destruída e da lugar a Panem, uma nação onde o poder para oprimir os pobres ou a coragem para continuar, são as únicas formas de se viver.

Panem é formada por uma poderosa cidade conhecida como Capital e por 13 detritos controlados pela Capital.
O 13º distrito rebelou-se contra a opressão da Capital em um evento que ficou conhecido como Dias Escuros. Mas eles não puderam resistir contra a força da Capital e o 13º distrito foi dizimado. Para que não houvesse mais rebeliões, a Capital criou os Jogos Vorazes. Uma Arena Grega futurística onde um menino e uma menina de cada distrito, que tenha entre 12 e 18 anos, devem lutar até que reste apenas um.
Os Tributos, como são chamados, reúnem-se anualmente no centro de seu distrito para a Colheita dos tributos que competiram por suas vidas. E é no 12º distrito, o mais pobre de todos, que Katniss Everdeen, uma corajosa garota de dezesseis anos vive.
Katniss perdeu o pai quando ainda era uma criança e, desde então, usa seus conhecimentos como cassadora herdados do pai para manter a mãe e a irmã mais nova vivas.

No dia da Colheita, Katniss se vê indo ao encontro de sua possível morte quando se oferece como Tributo no lugar de sua irmã, que por ironia do destino é escolhida como Tributo em seu primeiro ano participando dos jogos.

Junto com Peeta Mellark, seu companheiro de distrito, ela ultrapassa suas proprias espectativas em quanto tenta salvar sua vida e a de seu companheiro para voltar para sua família. 
Mas suas escolhas tem um preço alto, mesmo que ela não faça ideia disso. Que os Jogos Vorazes comecem.


Por: Brenda S. Sousa

O FILME
Depois de ler o livro fui ao cinema para conferir se o filme seria fiel ao livro. Confesso que fiquei um tanto decepcionada com o filme. Muitas informações e detalhes que são significativos para a compreensão da trilogia foram deixados de fora.
O estúdio Lions Gate adquiriu os direitos para uma adaptação cinematográfica do livro, que foi produzida pela Color Force. Dirigido por Gary Ross, o roteiro do filme foi escrito pela própria Suzanne Collins, com ajuda do diretor e revisão de Billy Rae.

 A produção foi iniciada na primavera norte-americana de 2011 e o filme lançado em 22 de março de 2012, com Jennifer Lawrence no papel de Katniss Everdeen, Josh Hutcherson como Peeta e Liam Hemsworth como Gale. Ele arrecadou US$211,8 milhões em bilheterias mundialmente em seu primeiro final de semana e recebeu uma aprovação de 85% dos críticos especializados, segundo o Rotten Tomatoes, que se baseou em 245 resenhas. 


Espero que tenham gostado da indicação. Até a próxima  querubins. Que os ventos do sul não soprem areia 
em seus olhos. 



terça-feira, 6 de março de 2012

PSCICODELIZANDO A MENTE













Eu me chamo Sonhador,
Nasci em condições desfavoráveis,

E por isso me mantive recluso do mundo.
Antes considerava minha debilitação uma praga dos céus,
Hoje eu acho que Deus havia me dado uma benção.

Minha vida inteira passei vendo a escuridão,
Como será que era uma estrada?
Pelo barulho que fazia, eu pensava ser muito legal.
Como será que era ver a luz do sol?
Pelo calor que fazia eu imaginava que seria muito lindo.
Eu passava noites em claro imaginando como seria o mundo a minha volta.
Os sons eram diversos.
Alguns feios,
Mas o mundo não podia ser ruim.
Ou ao menos eu pensava que não.
Minha maior curiosidade era saber como as pessoas cuidavam do mundo.
Um lugar tão bonito deveria receber muito amor e muitos cuidados.
Assim eu pensava.
Um dia pedi a Deus que me tirasse aquela praga e me desse o dom da visão.
Deus atendeu meu pedido.
Eu fiquei muito animado e sai correndo para perto das pessoas.
Quando vi aquelas coisas que eu não conhecia, com nomes feios aos meus ouvidos,
Comecei a chorar.
Pobreza, Fome, Roubo, Assassinato, Desmatamento...
Voltei aos prantos para o meu recanto.
Perguntei Deus porque o homem destrói a casa onde vive?
Porque as pessoas maltratam umas asa outras?
E Ele me respondeu,
Querido filho, o único motivo pelo qual as pessoas fazem isso é por elas não me terem mais ao seu lado.




Escrevi este texto depois de uma converssa que tive com o amor da minha vida sobre como as pessoas tratam o mundo em que vivemos. Espero que as pessoas que leiam isso, se enclinem a pensarar um pouco mais em coisas que realmente importam. Abraços e que você esteja sempre na contramão da rotina.




sábado, 3 de março de 2012

XICRINHA DE CHÁ





Olá pessoal. todos viajando em um mar de imaginação sem fim?
No XICRINHA DE CHÁ dessa semana, trago para vocês um estilo conhecido como vintage.Esse estilo é adotado por todo tipo de gente que ame coisas antigas como decoração, vestuário, músicas, enfim. Vamos adentrar no mundo VINTAGE.






"Vintage é uma estilo de vida e moda retrógrada, uma recuperação de estilos das décadas de 1920, 1930, 1940, 1950 e 1960.
Alguns estilistas atribuem ao retorno das modas setentistas, oitentistas e noventistas um certo teor "vintage", mas, por serem relativamente recentes, o termo não é devidamente atribuído a estas décadas. O resgate da moda pin-up é um exemplo de "moda vintage". Roupas com tecidos propositalmente "desgastados" também são chamados vintage, justamente por ter uma aparência de usado, antigo, de outra época. Mas tambem sendo usada em outras épocas."
Assim como eu, vocês devem estar dizendo "Isso não é vintage, é retro com outro nome." eu garanto a vocês que não é. Bom, moda e estilo de vida retro é fazer algo novo com aparência antiga. Vintage trata-se de usar meeesmo coisas antigas. Como decoração de interiores, roupas, caligrafia em fim, tudo velho. 
Cantoras como Adele, Katy Perry, Amy Winehouse são cantoras que tem um grada roupas vintage.


Também existem muitas outras coisas como filmes que eram muito bons em sua maioria.
Para vocês se sentirem inspirados a procurar mais sobre o assunto vou postar algumas fotos que eu achei muito interessantes em estilo vintage. 

DECORAÇÃO





VESTUÁRIO






MODO DE VIDA



FAMOSOS VINTAGE



Espero que tenham gostado. Que cada dia de suas vidas envenene sua magma de energia positiva quanto um por do sol em férias inesquecíveis. 



terça-feira, 3 de janeiro de 2012

XICRINHA DE CHÁ


Olá pessoas, tudo na contramão da rotina? Hoje no XICRINHA DE CHÁ, trago a história do professor Paul Flanagan.
Ao descobrir que tinha um câncer terminal, Paul usou seus últimos dias não para lamentar e pensar no que ele não viveria, mas para ser um bom pai, mesmo estando longe de seus filhos.



Viver em 28 lições

Quando soube que tinha poucos meses de vida por causa de um câncer, o professor de gramática inglês Paul Flanagan só pensou em seus filhos, Thomas e Lucy. Em vez de sentir piedade de si mesmo ou entregar-se à tristeza, ele usou seus últimos dias para tentar ser um bom pai – mesmo à distância. Paul escreveu cartas, deixou mensagens gravadas em DVD e até comprou presentes para ser entregues às crianças em seus aniversários futuros. Separou também seus livros preferidos e, dentro deles, deixou bilhetes dizendo por que havia gostado de lê-los.
Em novembro de 2009, aos 45 anos, Paul morreu por causa do melanoma, deixando a mulher, Mandy, Thomas, então com 5 anos, e Lucy, de 1 ano e meio. Quase dois anos depois, ele continua presente com suas mensagens e fotos espalhadas por toda a casa. E, no mês passado, a família ganhou mais uma lembrança de Paul. Por acaso, Mandy encontrou um documento em seu antigo computador intitulado “Sobre encontrar a realização”. “Abri e, com lágrimas escorrendo pelo meu rosto, descobri que eram seus pontos para viver uma vida boa e feliz”, diz Mandy ao jornal Daily Mail.
“Quando alguém recebe a notícia de que tem poucos meses de vida, decide que sua vida não vai ser completa se não pular de bungee-jump da Ponte Harbour, em Sidney, ou não tiver visitado o Grand Canyon. Esse não era Paul. Tudo que importava para ele estava bem aqui. Ele viveu e morreu de acordo com suas próprias regras, e sei que encontrou sua própria realização.” Mandy diz que a carta é uma reprodução fiel dos valores e do bom humor de Paul.
O professor resumiu as reflexões que nortearam seu modo de viver em 28 itens. Aqui estão as palavras de Paul para seus filhos – e que agora servem de inspiração não só para eles, mas para todos que as leem.
“Nessas últimas semanas, depois de saber de meu diagnóstico terminal, procurei encontrar em minha alma e em meu coração maneiras de estar em contato com vocês enquanto vocês crescem.
Estive pensando sobre o que realmente importa na vida, e os valores e as aspirações que fazem das pessoas felizes e bem-sucedidas. Na minha opinião, e vocês provavelmente têm suas próprias ideias agora, a fórmula é bem simples.
As três virtudes mais importantes são: lealdade, integridade e coragem moral. Se aspirarem a elas, seus amigos os respeitarão, seus empregadores o manterão no emprego, e seu pai será muito orgulhoso de vocês.
Estou dando conselhos a vocês. Esses são os princípios sobre o quais tentei construir a minha vida e são exatamente os que eu encorajaria vocês a abraçar, se eu pudesse.
Amo muito vocês. Não se esqueçam disso.
Seja cortês, pontual, sempre diga “por favor” e “obrigado”, e tenha certeza de usar o garfo e a faca de maneira correta. Os outros decidem como tratá-los de acordo com as suas maneiras.
Seja generoso, atencioso e tenha compaixão quando os outros enfrentarem dificuldades, mesmo que você tenha seus próprios problemas. Os outros vão admirar sua abnegação e vão ajudá-lo.
Mostre coragem moral. Faça o que é certo, mesmo que isso o torne impopular. Sempre achei importante ser capaz de me olhar no espelho toda manhã, ao fazer a barba, e não sentir nenhuma culpa ou remorso. Parto deste mundo com a consciência limpa.
Mostre humildade. Tenha a sua opinião, mas pare para refletir no que o outro lado está dizendo, e volte atrás quando souber estar errado. Nunca se preocupe em perder a personalidade. Isso só acontece quando se é cabeça-dura.
Aprenda com seus erros. Você vai cometer muitos, então os use como uma ferramenta de aprendizado. Se você continuar cometendo o mesmo erro ou se meter em problema, está fazendo algo errado.
Evite rebaixar alguém para outra pessoa; isso só vai fazer você ser visto como mau. Se você tiver um problema com alguém, diga a ela pessoalmente. Suspenda fogo! Se alguém importuná-lo, não reaja imediatamente. Uma vez que você disse alguma coisa, não pode mais retirá-la, e a maioria das pessoas merece uma segunda chance.
Divirta-se. Se isso envolve assumir riscos, assuma-os. Se for pego, coloque suas mãos para cima.
Doe para a caridade e ajude os menos afortunados que você: é fácil e muito recompensador.
Sempre olhe para o lado bom! O copo está meio cheio, nunca meio vazio. Toda adversidade tem um lado bom, se você procurar.
Faça seu instinto pensar sempre sempre em dizer ‘sim’. Procure razões para fazer algo, não as razões para dizer ‘não’. Seus amigos vão gostar de você por isso.
Seja gentil: você conseguirá mais do que você quer se der ao outro o que ele deseja. Comprometer-se pode ser bom.
Sempre aceite convites para festas. Você pode não querer ir, mas eles querem que você vá. Mostre a eles cortesia e respeito.
Nunca abandone um amigo. Eu enterraria cadáveres por meus amigos, se eles me pedissem… por isso eu os escolhi tão cuidadosamente.
Sempre dê gorjeta por um bom serviço. Isso mostra respeito. Mas nunca recompense um mau serviço. Um serviço ruim é um insulto.
Sempre trate aqueles que conhecer como seu igual, estejam eles acima ou abaixo de seu estágio na vida. Para aqueles acima de você, mostre deferência, mas não seja um puxa-saco.
Sempre respeite a idade, porque idade é igual a sabedoria.
Esteja preparado para colocar os interesses de seu irmão à frente dos seus.
Orgulhe-se de quem você é e de onde você veio, mas abra a sua mente para outras culturas e línguas. Quando começar a viajar (como espero que faça), você aprenderá que seu lugar no mundo é, ao mesmo tempo, vital e insignificante. Não cresça mais que os seus calções.
Seja ambicioso, mas não apenas ambicioso. Prepare-se para amparar suas ambições em treinamento e trabalho duro.
Viva o dia ao máximo: faça algo que o faça sorrir ou gargalhar, e evite a procrastinação.
Dê o seu melhor na escola. Alguns professores se esquecem de que os alunos precisam de incentivos. Então, se o seu professor não o incentivar, incentive a si mesmo.
Sempre compre aquilo que você pode pagar. Nunca poupe em hotéis, roupas, sapatos, maquiagem ou joias. Mas sempre procurem um bom negócio. Você recebe por aquilo que paga.
Nunca desista! Meus dois pequenos soldados não têm pai, mas não corajosos, têm um coração grande, estão em forma e são fortes. Vocês também são amados por uma família e amigos generosos. Vocês fazem o seu próprio destino, meus filhos, então lutem por ele.
Nunca sinta pena de si mesmo, ou pelo menos não sinta por muito tempo. Chorar não melhora as coisas.
Cuide de seu corpo que ele vai cuidar de você.
Aprenda um idioma, ou pelo menos tente. Nunca comece uma conversa com um estrangeiro sem primeiro cumprimentá-la em sua língua materna; mas pergunte se ela fala inglês!
E, por fim, tenha carinho por sua mãe, e cuide muito bem dela.
Amo vocês com todo meu coração,
Papai”

Espero que tenham gostado e que os ensinamentos do Professor Flanagan tenham sido tão tocantes e inspiradores para você quanto foram para mim. Que os céus de suas mentes estejam azul como um céu de outono. Abraços.